terça-feira, 22 de dezembro de 2015

QUANDO NINGUÉM VEM A CRISTO

Picture



Há épocas em nossos ministérios em que o fruto espiritual não é tão evidente quanto gostaríamos. Não é tão evidente para os outros, e não é tão evidente para nós. Como pastores, nós plantamos, semeamos e regamos de novo—mas nestas épocas parece que vem pouco fruto de nosso trabalho. Nada parece acontecer. Para alguns pode levar um ano, dois anos, alguns anos sem ver frutos do seu trabalho. Nós evangelizamos, nós pregamos com paixão, nós tentamos desenvolver amizade com não-cristãos. Mas ainda assim, nada acontece. Então perguntamos: “O  que está errado comigo?” Porque, Deus, você não me usa?” Nós temos a tendencia ou de culpar a Deus ou de culpar a nós mesmos. Em ambos os casos, nós estamos demonstrando uma falta de confiança no evangelho. 

A verdade é que, ou Jesus é o Senhor da seara ou não é. O que nós cremos de verdade? 

Uma das doutrinas mais preciosas da fé é a doutrina da soberania de Deus. Ela é um dos marcos da tradição reformada. Ainda assim, as implicações da sua soberania na vida de um pastor pode com frequência te ferir profundamente. Ela fere porque vai contra a idéia de que frutos espirituais sempre serão evidentes.
 
Quando ficamos desesperados par aver alguma coisa com os nossos olhos, a tentação é seguir métodos questionáveis para gerar frutos e e fazer conseguir algo. Afinal, boa parte das igrejas evangélicas promovem o sucesso como sendo simplesmente uma tarefe de quantas pessoas você consegue reunir em um auditório, ou quantas mãos você consegue fazer levantar como parte de um apelo emocional. Então, nós ficamos tentados a apelar aos métodos do mundo para conseguir o que queremos tanto: sucesso. Ainda assim quanto mais levamos a sério o ministério, mais sabemos que brindes e manipulações não são o modo de atrair pessoas para Cristo que honra a Deus. O que precisamos é muito mais simples: uma proclamação persistente do evangelho. Nada fabricado. E isso parece arriscado, porque você está realmente deixando os resultados para Deus em sua pregação e em seus esforços evangelisticos. 

Considere a vida de Jeremias, o profeta que viveu nos dias finais do Reino do Sul de Judá quando a nação sucumbiu. Deus o enviou para dar um ultimo aviso ás pessoas de Judá antes que eles fossem expulsos da terra. Deus destruiria a nação e os enviaria ao cativeiro sob o reino da Babilonia. O papel de Jeremias era pregar e alerta-los de seus pecados e comportamentos idólatras. Mas, tem um problema aqui: Ninguém ouviu, ninguém atendeu. Nem mesmo ao seu apelo fervoroso e emocional chamando o povo a obedecer a Deus. Jeremias pregou por quarenta anos, e ele não teve sucesso em mudar a mente do povo. Ele continuaram teimosos. Mesmo os profetas antes dele tiveram algum sucesso, mas não Jeremias. Parecia que ele estava falando com uma parede. 

Isto afetou Jeremias profundamente Ele é conhecido como o “profeta chorão” (veja Jer. 9:1) por pelo menos duas razões. Primeiro, ninguém ouvia a ele. Segundo, ele sabia o que estava para acontecer. Poucas pessoas ao seu redor o confortavam. Deus disse que ele não se casaria, nem teria filhos, e ele não tinha nenhum amigo por perto. Ele se sentiu sozinho mesmo quando estava pregando. Jeremias carregou o fardo de pregar uma mensagem dura, bem como o fardo de ver poucos frutos enquanto ele pregava esta mensagem. 

Cada um de nós como crentes, não somente os pastores, precisa saber que assim como aconteceu com os grandes profetas do passado. nós também teremos períodos de falta de frutos. Isto com frequência, te levará a questioner o seu chamado. Isso pode até levar a depressão. Mas devemos encontrar alegria no Senhor. Em Jeremias 15:19 nós vemos que a alegria de Jeremias foi restaurada no meio do seu desânimo. Porque nós perdemos nossa alegria como pastores e lideres no ministério? Certamente, muitas vezes é porque nós não vemos fruto espiritual. Mas outras vezes é porque nós cobiçamos o sucesso dos outros. Esta, então é a pergunta que devemos fazer a nós mesmos: Jesus é suficiente? 

Teve um periodo na plantação de nossa igreja que eu fiquei extremamente desanimado porque ninguém estava vindo para Cristo. A igreja parecia estagnada. Eu estava colocando cada vez mais energia e tempo, mas com pouco resultado. Um pastor sábio e mais experiente se aproximou de mim e perguntou: “Jay, Jesus realmente é suficiente para você? Porque todo esse desgaste? Você não confia nele?”

Talvez meu interesse fosse demonstrar como eu era bem sucedido ou eu estava cobiçando o sucesso dos outros. O décimo mandamento fala isso claramente: “Não cobiçarás” (Ex. 20:17). A chave para não cobiçar o sucesso ministerial dos outros é encontrar alegria completamente em Jesus. Se ele é suficiente para você pessoalmente, você sabe que o seu ministério não te valida.  É Jesus que te valida. 

Quando Jesus for suficiente para você, você vai encontrar contentamento nele nos momentos difíceis do ministério, e você não vai ser dominado pelo desânimo. Sua alma não ficará abatida porque você colocou sua esperança totalmente em Deus, porque você sabe que ele é o Senhor da colheita. 

Descanse nesta verdade. Trabalhe duro para espalhar a fama dele em sua cidade e nas nações. Encontre contentamento em seu tempo divino, e sua alma ficará saudável mesmo quando você ver poucos frutos visíveis.  Ele está no controle. Ele é o Senhor da colheita. Nós somos simples embaixadores.

http://www.jaybauman.com/blog-em-portuguecircs

Originalmente postado em inglês no site da Acts 29.